LOCOMOTIVA PARTIU (07/09/2018)
 


Confesso aos leitores do "GALOPE PEREGRINO" que fui advertido, por inúmeras vezes, para que deixasse a imprensa de lado e me preocupasse com personagens mais interessantes.

Contudo, eu fui adepto das respostas a cada ataque gratuito e isso nunca levou-nos a solucionar o ranço contido nas escritas e falas proferidas pelos jornalistas oficiais.

Entretanto, um dia, a gente amadurece e percebe que não precisa lutar todas as batalhas de uma guerra. Algumas são absolutamente desnecessárias.

Negar o estado atual em que o trabalho correto nos levou é negar a realidade; justificar o injustificável; e inventar fórmulas ineficazes para beneficiar o jornalismo clubístico.

Foi assim que curti minha quarta-feira p.p. e concluí que a felicidade traz um sabor diferenciado àqueles que procuram apenas ser felizes dentro da "Sociedade", pouco importando o que falam ou escrevem os cronistas esportivos. O convencimento "oco" não me incomoda mais.

O jogo foi difícil, mas não impossível de ser vencido; ele deixou de contar "15" minutos e passou a ter "90"; e o torcedor começou a entender que a qualquer momento o gol poderia se realizar de forma tangível.

"Dracena" chegou à marca de "100" jogos com a camisa alviverde. Liderando o nosso sistema defensivo, ele ajudou a transformá-lo em algo inexpugnável.

"Felipe 'Pitbull' Melo" optou por varrer da face da Terra a lembrança de sua pseudo-violência e provar que sabe mais de bola do que possam acreditar seus críticos contumazes.

"Moisés" é outro que a "Família Scolari" abraçou. Longe de ser um cristal frágil e com prazo de validade, ele se multiplicou em campo. Seja volante ou articular, ele sempre invadiu a área inimiga e finalizou ao gol.

Pelos lados do campo, Willian voltou a ser fundamental e nossa última vitória passou por ele. Na qualidade prodigiosa de um artilheiro ou como coadjuvante, seu bigode brilhou.

O que dizer de "Deyverson" e seu renascimento insano? O homem dos lançamentos imprevisíveis e arremates em crescimento parece que veio para contrariar a "Teoria da Relatividade".

Enfim, "Meu Mestre", a continuar neste patamar sua locomotiva alcançará trilhos nunca dantes percorridos.



***

O escritor e colunista Catedral de Luz nasceu na turbulenta década de 60 e adquiriu valores entre as décadas de 70 e 80 que muito marcaram sua personalidade, tais como Palmeiras, Beatles, Letras, Espiritismo e História... Amizades... Esposa e Filha.

Os anos 90 ensinaram-lhe os atalhos, restando ao novo século a retomada da lira poesia perdidas.

comments powered by Disqus
acesso rápido
 
 
 
 
 
 

Palmeiras Todo Dia - O Site Oficial do Torcedor Palmeirense!